Biologia e química no lago Filtragem do lago

Compostos nitrogenados na contribuição para formação de algas nos lagos ornamentais

Sem comentários

Ao iniciarmos o interesse por lagos ornamentais fazemos diversas pesquisas. Vemos fotos de lagos com lindas cascatas, grandes pedras, água cristalina e peixes com cores maravilhosas. Logo imaginamos como ficariam em nossas casas ou empresas. Mas, após a montagem de nosso lago, pode ocorrer da água não estar tão transparente e límpida como a das fotos que vimos. Muitas vezes aparecem algas no lago deixando a água totalmente verde. Conclui-se então, que o sonho idealizado provavelmente tornou-se em um pesadelo. Não é bem assim! Essa situação é reversível e há necessidade de se atentar para quais são as causas que induziram as algas água e, então, combatê-las.

A água verde nos lagos ornamentais é algo muito comum quando não temos uma filtragem correta ou quando existe um desequilíbrio em nosso lago. Principalmente no verão e em regiões tropicais quando temos cerca de 14 horas de claridade durante o dia. Esta grande quantidade de luz, em conjunto com outros fatores, facilitam a proliferação das algas. Muitas vezes, não é possível diminuir a quantidade de luz que incide em nosso lago, pois ele pode estar num local aberto, sem árvores. Desta forma, temos que ficar atentos para alguns fatores que facilitam o desenvolvimento das algas nos lagos ornamentais.

Os compostos nitrogenados na formação de algas no lago

Um de diversos fatores é a presença de compostos nitrogenados na água do lago. A principal fonte destes compostos ocorre pelo próprio metabolismo dos peixes e outros animais ali presentes. Podemos definir metabolismo como todas as reações químicas que ocorrem em um organismo pelas quais as moléculas orgânicas podem ser quebradas e, com isso, liberar energia (catabolismo) ou serem sintetizadas e, portanto, armazenar energia (anabolismo). Tais reações químicas são importantes para o desenvolvimento, crescimento e maturação dos peixes para a fase de reprodução.

Os alimentos dos peixes são os responsáveis por oferecer energia a qual pode ser utilizada (catabolismo) ou armazenada (anabolismo). Nestas reações, o principal substrato utilizado é a proteína e as rações dos peixes podem variar em sua quantidade desde 18% até 45%. Rações com maior porcentagem de proteína são chamadas de ração de crescimento, enquanto as que possuem menor porcentagem são chamadas ração de manutenção. Em quaisquer das rações e nas reações de catabolismo, as moléculas de proteína são as principais fontes de compostos nitrogenados presentes nos lagos ornamentais e, principalmente, em lagos de piscicultura intensiva.

Inicialmente, quando os lagos são formados, há baixos níveis de compostos nitrogenados como amônia, nitrito, nitrato, amônio e óxido nitroso. Tais compostos aumentam proporcionalmente com o aumento da quantidade de alimento fornecido. Estudos demonstram que a natureza e a quantidade destes compostos estão diretamente relacionados com o aumento da biomassa das algas.

6 formas de reduzir os compostos nitrogenados para evitar a formação de algas no lago

Para eliminar as algas no lago, precisamos tentar retirar o “alimento” delas. Dessa forma elas ficam mais fracas e irão desaparecendo. Já sabemos que um dos  “alimentos” das algas são os compostos nitrogenados (amônia, nitrito e nitrato). Então vamos ver algumas dicas de como reduzir os compostos nitrogenados da água do lago ornamental.

  1. A filtragem biológica bem dimensionada é o principal aliado para eliminar os compostos nitrogenados através do ciclo do nitrogênio. Com um filtro biológico para lago de qualidade, a amônia produzida será convertida em nitrito e depois em nitrato.
  2. O uso da zeólita, um mineral natural, que adsorve a amônia também é uma ótima ferramenta para a luta contra as algas. A zeólita pode ser colocada dentro do filtro ou posicionada em cima da bomba. Sempre utilizando saquinhos próprios para o seu armazenamento. Ela deve ser substituída de 3 em 3 meses.
  3. O uso de algicidas para lago, que devem ser utilizados sempre na concentração indicada pelo fabricante. Os algicidas podem ser prejudiciais à plantas que estão no lago e seu uso deve ser orientado por especialista.
  4. O uso do ozônio no lago também irá contribuir, já que ele tem a capacidade de destruir a molécula da amônia. Sempre de preferência por instalar o ozônio na entrada do filtro UV. Dessa forma teremos a formação da hidroxila que é ainda mais oxidante que o próprio ozônio.
  5. Fazer a troca parcial de água, também conhecida como TPA, pode ajudar a reduzir a quantidade de compostos nitrogenados. Isso ocorre porque estamos adicionando uma água nova, sem esses compostos e retirando uma água mais saturada.
  6. Utilizar plantas no lago. As plantas, assim como as algas, irão consumir os compostos nitrogenados. Dessa forma existirá uma  competição direta pelos nutrientes enfraquecendo as algas no lago.

Gostaríamos de saber sua opinião de como está o seu lago e se já teve alguns destes problemas com água verde. Além disso, caso já tenha passado por esta experiência não agradável, você pode nos enviar fotos de seu lago antes e depois dos tratamentos.

 

Bibliografia

Boyd, C.E. (1990) Water quality in ponds for aquaculture. Auburn: Auburn University Press/Birmingham publishing Co. Alabama.
Cavero, B.A.S.; Pereira-Filho, M.; Bordinhon, A.M.; Fonseca, F.A.L.; Ituassú, D.R.; Roubach, R.; Ono, E.A. (2004) Tolerância de juvenis de pirarucu ao aumento da concentração de amônia em ambiente confinado. Pesq. Agropec. Bras., 39(5): 513-516.
Kochba, M.; Diab, S.; Avnimelech, Y. (1994) Modeling of nitrogen transformation in intensively aerated fish ponds. Aquaculture, 120:95-104.
Oláh, J.; Szabó, P. (1986) Nitrogen cycle in a macrophyte covered fish pond. AquacultHung. (szarvas), 5: 165-177.
Sipaúba-Tavares, L.H. (1998) Limnologia dos sistemas de cultivo. In: Carcinicultura de água doce. São Paulo: FUNEP. p.47-75.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados *