Biologia e química no lago Filtragem do lago

Mídias biológicas e a colonização das bactérias

2 Comentários

Muitas vezes queremos economizar em alguns produtos em nossas compras do dia a dia. No entanto, quando se trata da montagem de um lago ornamental, há algumas exceções que devemos refletir melhor sobre essa economia. Um exemplo são as mídias biológicas, itens fundamentais para uma filtragem de qualidade no lago ornamental.

Mídia biológica Cubos BioZ para lagos ornamentais e aquários

O princípio das mídias biológicas

No mercado de lagos existem diversas mídias biológicas para a “limpeza” da sujeira produzida pelos peixes. Isso pode nos deixar com dúvidas na hora da compra. Nos últimos posts publicamos sobre os fatores que, entre outros, pode tornar a água do lago, como muitos dizem, semelhante a uma “sopa de ervilha”. Estes fatores são os compostos nitrogenados: amônia (NH3), íon amônio (NH4+), nitrito (NO2) e nitrato (NO3), que podem ser utilizados como substrato para proliferação das algas. Também, foi comentado como a amônia é transformada em íon amônio e neste post continuaremos sobre como eliminar estes compostos nitrogenados através do ciclo do nitrogênio.

Dentro dos filtros biológicos, independente do material filtrante, ocorre o crescimento de importantes microrganismos que são as bactérias nitrificantes. Há dois tipos de populações de bactérias responsáveis pela nitrificação, isto é, pela transformação do íon amônio (NH4+) em nitrito:

  1. Primeiro, as bactérias do gênero Nitrossomas, que oxidam o íon amônio à nitrito (muito tóxico aos peixes na concentração de 1.0 a 3,0 mg/L), cuja reação química pode ser expressa da seguinte forma:

NH4+ + 1½ O à 2 NO2+ H2O

  1. E, em seguida, as bactérias do gênero Nitrobacter, que oxidam nitrito à nitrato (não muito tóxico aos peixes), cuja reação química pode ser expressa da seguinte forma:

NO2 + ½ O2 à NO3

As plantas também pode ajudar

Por fim, a maioria das plantas podem utilizar o nitrato (NO3) como fonte de nitrogênio para produção de proteínas e, no caso dos lagos ornamentais, as plantas aquáticas como, por exemplo, o aguapé (Eichornia crassipes) e niféias, assimilam o nitrato produzido. Que processo maravilhoso e até mágico da natureza ocorre nos sistemas aquáticos e dentro dos filtros biológicos também! Para isso precisamos utilizar os materiais filtrantes que tenham uma maior área de superfície o que facilitará a “limpeza” dos dejetos produzidos pelos peixes e proporcionará maior alojamento das bactérias citadas.

Bibliografia

Avnimelech, Y. (1999) Carbon/nitrogen ratio as a control element in aquaculture systems. Aquaculture 176:227-235.
Lawson, T.B. (1995) Fundamentals of Aquaculture Engineering. Chapman and Hall, New York, NY, USA.
Sprent, J. S. (1987) The ecology of nitrogen cycle. Cambrigde University Press, Great Britain.
Lee, J. A.; Stewart, G. R. (1978) Ecological aspects of nitrogen assimilation. Advances in Botanical Research, 6:1-43.

2 comentários

  1. Bioz… por acaso não é a zeolita da cubos?

    Tem imagens das mídias para que possamos “ver” elas?
    Como ela pode ter uma área de colonização assim tão grande?
    Se a mídia padrão tem 0.7g, temos 700m em 1L, que trata seus 100L, digamos

    Então, a bioz, com 37.8g tem 37.800m em 1L tratando (com base na 1a mídia) seus 540L…
    É isso mesmo? 1L de Bioz trata ate 540L de água sem maiores problemas?

    Att

    Paulo Dias

    1. Olá Paulo. O BioZ é um tipo de zeólita sim. A área de colonização foi aferida em laboratório e a quantidade que indicamos para uso é com uma densidade de peixes de até uma carpa adulta para 500 litros de água. Abraós.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados *