Cuidados com o lago Nishikigois

Peixes para lagos artificiais: quais as espécies mais indicadas?

21 Comentários

Você é daqueles que adoram sentir a natureza bem de pertinho e faz de tudo para trazer ela para dentro de casa? Então, já deve saber que uma área de lazer bem cuidada pode fazer toda a diferença. E que tal adicionar a esse ambiente a beleza de um lago artificial? Se você acha que chegou a sua hora de ter um em casa, saiba que um dos primeiros passos é identificar quais espécies de peixes para lagos ornamentais são mais adequadas.

Essa escolha deve ser feita antes mesmo da construção do lago, para que seja possível definir melhor a profundidade, os tipos de plantas e os filtros usados. Por exemplo: não é recomendado colocar os aguapés e os alfaces-d’água junto com as carpas, a não ser que seja época de reprodução. Detalhes como esses são imprescindíveis para a qualidade de vida dos seus peixes e para a correta manutenção e limpeza do lago.

Você também deve levar em conta o fato de que os peixes precisam ter resistência ao frio. Dois tipos de peixes são bem adequados para locais que podem enfrentar baixas temperaturas: as carpas e os kinguios.

A seguir, conheça melhor cada um desses peixes e outras espécies que vão deixar o seu lago ornamental sempre bonito para você e suas visitas. Preparado?

1. Carpas como um dos peixes para lagos ornamentais

A carpa é uma espécie bastante comum entre os laguistas, justamente por ser um peixe muito tolerante ao frio e um dos mais belos. Elas podem resistir a temperaturas de 28º C até temperaturas abaixo de zero.

Podendo passar dos 50cm de comprimento, elas necessitam de um lago de pelo menos 30cm de profundidade. Em regiões muito quentes ou muito frias, o ideal é que a profundidade passe dos 80cm.

As carpas também gostam de bastante espaço: é recomendado um lago com no mínimo 4 mil litros e com mais de 40cm de profundidade para que as carpas possam se desenvolver de forma satisfatória.

Outra conta que você precisa fazer é essa: o lago deve conter de 500 a 800 litros de água por carpa adulta. Lembre-se que as carpas irão crescer, então não adianta colocar um monte de filhotes que logo eles ficarão adultos.

Filtragem de qualidade

Além disso, um ponto importante é focar na instalação de filtros de boa qualidade. Um lago com o sistema de filtragem bem dimensionado, dificilmente precisará ser completamente limpo.

É importante dizer que o lago não deve ter contato direto com a terra. Para que isso não ocorra, aposte na impermeabilização do tanque. Assim, você elimina as possibilidades da entrada de terra, e consequentemente, de sujeira, aumentando a vida útil do seu filtro e a qualidade de vida para seus peixes.

Tenha em mente, também, que o que se lava são apenas os filtros e não o lago. Bombas, cascatas ou quedas d’água para liberar oxigênio também são importantes para a manutenção do local.

Boa alimentação

Uma alimentação de qualidade é o que permite uma boa vida a qualquer ser vivo. Alimentar corretamente os seus peixes influencia diretamente no desenvolvimento deles, bem como no sucesso do seu lago ornamental.

Vale lembrar que a alimentação das carpas deve ser equilibrada com rações especiais para que não haja excesso de excrementos na água e, assim, diminuir a incidência de doenças e a frequência das manutenções. Elas podem ser alimentadas várias vezes ao dia, mas sempre com pouca quantidade. Também podem comer minhocas e larvas de insetos.

Sempre sem cloro na água

A quantidade de cloro presente na água deve ser sempre zero, ainda mais se você usar água de torneira, que já vem com cloro. Por isso, lembre-se: use desclorificante!

Para adequar o pH do seu lago, é preciso conhecer o que determina a alcalinidade ou a acidez dele. Neste caso, o dióxido de carbono (CO2 liberado pela respiração dos peixes), matéria orgânica na água e os materiais que foram utilizados na construção do tanque (alvenaria ou membrana, por exemplo) são alguns fatores responsáveis pelo valor do pH.

Isso quer dizer que é preciso ficar atento ao seu valor. O ideal é que o pH fique em torno de 7,0 e 7,8. Caso passe do limite, o simples uso de tamponadores pode ser suficiente. Para não haver nenhuma grande alteração no pH, lembre-se de fazer pelo menos uma medição por semana, garantindo um bom cuidado!

Por fim, uma curiosidade: você sabia que é possível criar laços com as carpas? Para isso, alimente os peixes sempre no mesmo lugar. Eles vão reconhecer seus ruídos e podem, até mesmo, deixar você fazer carinho neles!

2. Kinguios

Conhecido como peixe-japonês, peixe vermelho ou peixe-dourado, o kinguio tem origem chinesa e é ótimo para ser criado com outros peixes por ser sociável e dócil, sendo uma das mais populares espécies de peixes para lagos artificiais do mundo.

Podendo alcançar 30cm e viver por cerca de 30 anos, o kinguio tolera temperaturas entre 10 e 26º C. Também vale mencionar que essa é uma espécie omnívora (ou onívora), ou seja, come proteínas vegetais e animais. Sua alimentação pode ser oferecida duas a três vezes por dia.

Alimentação alternativa

Estes peixes para lagos ornamentais adoram pepino, alface, acelga, agrião, mostarda, espinafre, lentilha d’água e salvínia. Esses vegetais podem ser dados crus. Já as ervilhas, que eles amam, devem ir ao fogo por 10 minutos. Duas ervilhas para cada kinguio adulto já é o suficiente.

Brócolis e couve-flor também agradam esses peixes, devendo ser oferecidos cozidos. É importante ter em mente que sobrarão muitos pedacinhos de vegetais pelo lago. Por isso, é primordial alimentá-los dessa forma e depois recolher as sobras.

Já a proteína animal, como insetos e vermes, deve ser dada apenas uma ou duas vezes por semana. Você também pode variar nas rações, mas prefira sempre aquelas que afundam, para que os peixes não ingiram ar junto com o alimento.

Patês também são boas opções. Feitos de maneira artesanal, reunindo alimentos de origem animal e vegetal, são misturados a gelatina sem sabor dissolvida em água. O patê pode ser cortado em cubos e guardado no congelador, retirando-se apenas a porção que você vai dar aos peixes naquele dia.

As variedades de kinguios

Dentre as variedades de kinguio estão o kinguio comum, o kinguio cometa, o kinguio bolha e o kinguio escama de pérola. Assim como as carpas, esses peixes precisam de um sistema de filtragem bem eficiente. Para lagos pequenos, é aconselhável apostar nos kinguios cometas, que são mais ágeis e esguios.

3. Espadas, platis e molinésias

E, por falar em lago pequeno, outra ótima alternativa de peixes para lagos ornamentais são esses poecilídeos. Eles se reproduzem de forma rápida e são excelentes peixes para o controle de larvas de mosquitos.

Espadas, platis e molinésias preferem água alcalina, o que é frequente em lagos de alvenaria. Porém, a variação brusca de temperatura da água pode trazer a esses peixes algumas doenças, como o íctio. Por esse motivo, esses peixes são mais indicados para locais mais quentes, com pouca variação de temperatura ou, até mesmo, para ambientes internos.

Exatamente por nadarem em cardume, são capazes de deixar o lago mais bonito e divertido. O ideal é colocar, em média, de 20 a 50 espadas para cada mil litros. Mas atenção: não os coloque quando estiverem com menos de 5 cm, pois podem ser comidos pelas carpas.

Além disso, são espécies que não necessitam de uma alimentação diferenciada, sendo capazes de encontrar comida com o que estiver no lago.

4. Tartarugas, uma boa alternativa aos peixes para lagos ornamentais

Caso você queira adotar outros animais aquáticos, por que não adotar as tartarugas para o seu lago artificial? Então, a dica aqui é ficar atento a uma área seca, onde elas possam se expor ao sol.

Além disso, as tartarugas costumam sujar muito a água. Por isso, você deve fazer suas trocas parciais com mais frequência. Outro conselho é não mantê-las no mesmo ambiente que os peixes ou optar por espécies de peixes maiores e mais ligeiras. Nunca misture os pequenos, como os kinguios, com as tartarugas.

Com relação à temperatura, as tigres-d’água grandes costumam suportar baixas temperaturas entre 5 e 10º C quando hibernam. No entanto, lembre-se de que elas precisam ser recolhidas se o local esfriar mais do que isso.

Alimentação equilibrada

Na hora de decorar o lago, tenha em mente que as plantas costumam servir de alimento para as tartarugas: mantenha algumas flutuantes para fazer a alegria delas na hora de se alimentarem.

É fácil perceber que as tartarugas comem bastante, mas é importante não confundir apetite com fome. Elas naturalmente apresentam grande facilidade para comer e bom apetite, porém não sentem fome o tempo inteiro.

Por esse motivo, mantenha a alimentação regrada. O mais indicado é dar ração uma vez por dia e alimentos vivos uma vez por semana — como grilos, frutas e verduras. Assim, você inclui mais nutrientes na dieta do animal, promovendo saúde e bem-estar.

Cascudos e filtradores

Por fim, uma espécie boa de ter é o peixe cascudo e outros filtradores. Eles são muito mansos e pacíficos, podendo conviver bem com outros animais. Além disso, promovem a limpeza da água ao comer algas que ficam sobre as pedras no fundo do lago. Justamente por esse motivo, não demandam uma alimentação especial.

Por serem peixes de hábitos noturnos, é preciso tomar cuidado para criar um espaço em que possam se recolher durante o dia, assim como planejar um bom tamanho para o tanque. Normalmente, um cascudo para cada 3 mil litros de água, pois são peixes que podem ficar grandes.

Agora que você já sabe quais são as melhores espécies de peixes para lagos ornamentais, o que está esperando para construir o seu? Quando começar a colocar em prática as dicas, não se esqueça de nos contar como você está se saindo. Assim, você pode incentivar outros leitores a fazerem o mesmo!

21 comentários

  1. uma alternativa interessantes são os trichogasters trichopterus, peixes que formam cardume, respiração aérea, bom tamanho, e pelo menos 4 cores, azul, branco, amarelo e marrom avermelhado.

  2. Moro no litoral norte de SP, há pouco frio. Além das carpas e kinguios tenho cascudos de rio (não sei exatamente a espécie, mas crescem até 45 cm) Trichogaster Leeri, Peixe do Paraiso (Macropodus opercularis), Platis e espadas. Já tive , tudo junto, Betas, que até se reproduziram. Atualmente somente os poecelídeos conseguem reproduzir-se, pois as desovas das carpas e kinguios acabam sendo totalmente comidas pelos peixes adultos. Alimento com ração comercial e aguapé (pouco). Filtro continuamente com bomba submersa e material cerâmico, filtro UV com bomba dedicada e, de forma não contínua, areia em filtro tipo “piscina” com bomba dedicada (após lavagem das paredes e fundo, quando junta muita suspensão). Capto água de chuva mas também faço trocas parciais com água da Sabesp. Sempre com sol e nunca mais do que 15% do volume total. Tenho uma caixa decantadora redonda de 250 l com aguapés e um casal de kinguios (para não juntar mosquitos) na saída do filtro da bomba submersa. A água circula e, por ação centrífuga e por retenção nas raízes dos aguapés, nela se acumula bastante sedimento, que retiro aproximadamente uma vez por mês. A caixa redonda transborda no lago. Os aguapés crescem vigorosamente e são retirados parcialmente toda semana. Vão para a composteira do jardim. Não há plantas no lago atualmente, apenas algumas pedras para fornecer refúgio aos peixes. Paredes e fundo azulejados (era uma pequena piscina que não estava sendo usada). Os peixes estão bem, alguns kinguios e carpas já tem mais de 6 anos. Não são nishikigoi de altíssima qualidade, apenas peixes bonitos. Eu os compro jovens, algumas carpas já alcançaram 45 cm de comprimento. Mantenho o tanque com cerca de 5.000 L, a profundidade varia de 20 cm a 50 cm. Não há sombreamento. A água é bem transparente. Paredes, fundo e pedras juntam algas verdes bem escuras. Não há algas filamentosas. Obrigado pelas informações fornecidas e espero ter ajudado com as minhas informações.

    1. Marcos, muito obrigado por compartilhar conosco a sua experiência. Com certeza são muito valiosas. Uma dica seria talvez pintar a piscina de azulejo de preto. Dessa forma você da uma sensação de profundidade e não deixa as algas que ficam grudadas nas paredes parecerem sujeira. Experimente também usar o ozônio, ele ajuda muito na qualidade da água. Abraços.

  3. tenho um lago de concreto armado, aproximadamente 4 a 5.000 litros, bomba orca vazão 3.600 funcionando 7 dias/semana, filtro barril com manta acrilica, midia biologica e na saída esterilizador UV 15 w ligado 24h 7 dias p/semana. Minha região (zona da mata mineira) é muito quente e ensolarada, tenho tido principalmente no verão muita formação de algas o que tem exigido limpeza semanal do filtro biologico com muito acumulo de algas. No fundo do lago coloquei seixo rolado de aproximadamente 5 cm de diamentro. Uma vez ao mês revolvo todo o fundo, aguardo a decantação e em seguida faço o sifonamento com um sistema que eu mesmo elaborei utilizando uma bomba centrifuga. Este sistema é muito eficiente, remove grande parte dos dejetos e sujidades que estão depositados no fundo do lago e nesta operação elimino aproximadamente 25% da água. Trato 2 a 3 vezes ao dia em pequenas frações não deixando excesso de ração. Onde posso estar errando a ponto de permitir a formação de tantas algas, que é de fato o único problema que enfrento no meu lago, de resto a água está sempre cristalina, os peixes (carpas e kinguios) crescendo com vigor, não tenho problemas com doenças e não tenho nenhuma planta dentro do lago. Agradeço a atenção

    1. Olá Marcelo, tudo bem? Esse problema das algas é muito comum principalmente em lagos com seixo no fundo. O ideal é colocar areia especial e usar também um gerador de ozônio da Cubos. Vou fazer o seguinte vou abrir um chamado com o nosso biólogo e consultor William. Você vai receber um e-mail, ok? Abraços. Caio.

  4. caio, um detalhe deste peixe, quando sobem pra respirar, sobem normalmente todos do grupo ao mesmo tempo, com movimento super rápido, causando um efeito que lembra a ‘fervura da água”, pode ser associado a colisas e peixe do paraíso.

  5. outro detalhe, reproduz com extrema facilidade, ninhos de superfície, gostam de usar a folha da nynphea para proteger o ninho, da chuva e predadores, o macho cuida da prole.

  6. Tenho um lago de 4.600 litros. Tem tido problemas com as plantas aquática que não reproduzem, não desenvolvem. Todas que tenho colocado, minguam sejam elas alface ou água-pé. Fiz uma separação, dentro do lago onde os peixes não tem acesso as plantas e mesmo assim elas minguam. Seria a qualidade da água?

  7. Bom dia, ainda estou na estaca zero do meu lago,só tenho o local mas gostaria de saber se posso colocar kinguios e carpas juntos, obrigada

  8. Oi meu nome é Roseli.
    Como eliminar lodo do lago e o que fazer para água ficar cristalina tenho carpas e cascudos, consumo fazer manualmente limpeza semanal e o filtro troco de 3 em 3 meses .
    Tá certo?

  9. Bom dia Caio, tenho um lago feito em alvenaria, a parte interna e revestida de feltro e manta impermeável, no fundo foi colocado areia e coberto com pedras seixos, pedra de rio, na lateral toda do lago foram colocados pedras de forma que não se vê a manta, somente as pedras, o lago tem aproximadamente 5000 litros de água com uma bomba submersa de 6000 litros hora para a circulação, está funcionando a 20 dias, foi colocado 20 tilápias reprodutivas, para um teste, antes de colocar mais variedade de peixes, que no momento não tenho ideia de qual colocar junto com elas, tenho um filtro com cerâmicas, carvão ativo e um tecido para melhor filtragem e limpeza, mesmo assim apresenta uma água esverdeada, pode me dizer o que mais preciso para manter a água bem limpa e clara.
    Agradeço muito
    Márcio.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados *